Local é muito utilizado pela comunidade para prática esportiva e projetos sociais. E recebeu este ano os primeiros trabalhos de manutenção desde sua inauguração, em 2012

Localizado na entrada da Candangolândia, o Campo sintético do Centro Desportivo da cidade recebeu reforma na grama sintética e no alambrado.

O equipamento esportivo encontrava-se em estado precário e com várias falhas e buracos, o que poderia causar lesões aos jogadores. E para a execução do trabalho a Administração Regional de Candangolândia contou com a emenda parlamentar disponibilizada pelo deputado distrital Hermeto (MDB).

A medida deixou os esportistas satisfeitos. Raul Victor de Sousa Pereira, 22 anos, auxiliar administrativo, por exemplo, mora na Candangolândia há quatro anos e utiliza o espaço diariamente. Ele estava preocupado com os acidentes que poderiam ocorrer devido à falta de cuidados com o campo.

“O gramado sintético sempre foi muito utilizado, mas os tapetes estavam começando a se descolar. Estava ficando perigoso, pois se o nosso pé entrasse embaixo do gramado sintético poderia ocorrer uma lesão grave”, conta.

Também morador da Candangolândia, Tales Henrique de Sousa Pereira, 20 anos, consultor de vendas, ressalta a importância de valorizar o espaço que já foi, segundo ele, responsável por criar grandes amizades. “É um ambiente de bom convívio social. O pessoal se encontra muito para lazer e exercícios. A gente acaba conhecendo as pessoas da rua e fazendo muita amizade”, relata. “Essa reforma será muito bem recebida. E já que agora teremos tudo novinho é importante também que as pessoas cuidem do espaço que é nosso”, ensinou.

A liberação do espaço ainda não foi realizada devido à pandemia do Coronavírus “ O Campo está prontinho aguardando a pandemia passar para voltar a receber nossos atletas, que como eu adoram jogar um futebol. ” Concluiu Hermeto.

Por Larissa do Vale.


Após cinco meses sem eventos, a Feira retorna com suas atividades; toda a estrutura e expositores foram preparados para receber os consumidores seguindo as normas no combate ao Covid-19


 



A Feira da Lua, um dos eventos mais tradicionais e longevos de Brasília, está comemorando, no mês de agosto, 19 anos de atuação no cenário comercial. A feira, que vem ao longo desses anos apoiando o comércio local dos pequenos empreendedores, produtores de artesanatos, representante da culinária, vem se reinventando em cada edição e protagonizando o crescimento e a descoberta de produtores regionais, que caíram no gosto dos brasilienses. Com a retomada das atividades, a feira promove uma edição de reabertura comemorativa de aniversário,  no final de semana, nos dias 1o. e 2 de agosto, no Gilberto Salomão.

 

Ana Cristina Alvarenga, sócia-fundadora da Feira da Lua, comenta a importância dessa retomada para o cenário empreendedor na economia criativa da cidade. “Foram meses difíceis para os produtores e empreendedores, mais de 400 famílias foram atingidas com o fechamento, mas estamos felizes em voltarmos com as atividades”, relata Ana Cristina.“A feira traz oportunidade para o produtor criativo da cidade, expõem produtos e empresas locais e faz a economia girar. Tenho muito orgulho desses anos de trabalho e de ver o crescimento dos expositores”, conclui a empresária.

 

A retomada também marca uma nova fase para a história da Feira da Lua, que passa a contar com a participação de pequenos produtores de outras feiras nos eventos realizados, ampliando ainda mais a abertura da economia criativa e o crescimento econômico. A Secretaria de Turismo também estará presente nessa nova fase, trazendo mais visibilidade e aproximação junto os artesãos de Brasília.

 

Tendências, negócios e amizades - Durante os 19 anos, a feira caiu no gosto de clientes que se tornaram fiéis às edições, e procuram realizar suas compras com os expositores. É o caso da Maria Auxiliadora Ramalho, que frequenta a Feira da Lua desde sua primeira edição e comenta sobre a preferência de realizar suas compras em eventos como esse. “Sinto que a modalidade de venda que encontro na feira me deixa mais próxima do produto e do fornecedor, e quebra a formalidade de lojas convencionais, facilitando compras mais detalhadas e encomendas exclusivas, além das amizades que acabo criando com os expositores”, afirma a cliente.

 

 

Do lado do expositor, a experiência também é exitosa e merece elogios. A venda em eventos pode se tornar o pontapé inicial para o pequeno produtor. Alguns dos expositores criaram suas empresas e negócios e alavancaram suas vendas expondo seus produtos nas mais de 600 edições já realizadas nestes 19 anos. Muitas famílias são beneficiadas e garantem lucros com o trabalho em parceria com a feira.

 

Esse foi o caso da Jumaria Ramalho, que é uma das pioneiras no evento, e iniciou a venda de roupas femininas trazidas de Goiânia, e nunca deixou de participar das edições. A empreendedora conta que foi expondo suas roupas na feira da lua que foi notada por clientes de outros estados e até países, e passou a viajar para levar seus produtos para outros lugares. “Participei da primeira edição e desde então vou em todas, foi aqui que comecei e ganhei clientes que, até hoje, compram comigo. Faço questão de participar por quê sei o quanto é gratificante. Estou ansiosa pelo retorno e para encontrar minhas clientes”, afirma Jumaria.

 

A edição de reabertura e comemoração dos 19 anos vai acontecer nos dias 1 e 2 de agosto, das 11h às 19h no shopping Gilberto Salomão.

 

Sobre Feira da Lua - Há mais de 18 anos a Feira da Lua tem como objetivo fomentar um evento moderno com preços competitivos, onde o público visitante possa comprar diretamente de fabricantes. Com cerca de 648 edições desde sua primeira edição, a Feira da Lua, sempre atenta ao interesse do público brasiliense, proporciona para o consumidor uma real opção de compras, oportunidades de negócios para empresários e geração de renda para artistas e artesãos.

 

SERVIÇO

Feira da Lua - Edição Comemorativa

Data: Dias 1 e 2 de agosto, das 11h às 19h

Local: Centro Comercial Gilberto Salomão

Endereço: Shis QI 05 - Lago Sul, Brasília - DF, 71615-907

Instagram: @feiradalua/

Telegram: https://t.me/joinchat/AAAAAFXQ2iAQJamptJKE9A




Irlanda, Alemanha e agora França: os partidos de cunho ambientalista estão ganhando terreno. Sua influência na política pode marcar uma era - e, para isso, eles não precisam necessariamente estar no governo nacional


Verdes celebram a vitória na cidade francesa de Bordeaux

Por James Jackson

Atualmente, o mundo enfrenta duas crises que definirão uma era. A pandemia do coronavírus afeta o dia a dia, restringe as liberdades e prejudica a economia. Mas a outra crise, a que aquece rapidamente o planeta, pode ter efeitos ainda piores. Este mês de maio foi o mês mais quente já registrado, e partes do Ártico recentemente viram temperaturas de 38 graus Celsius. Embora no momento esteja se falando pouco do movimento Fridays for Future, os partidos e políticas de cunho ambientalista estão finalmente se aproximando do governo em toda a Europa.

O Partido Verde francês acaba de conquistar uma vitória histórica nas eleições para as prefeituras de grandes cidades como Marselha, Bordeaux, Lyon e Estrasburgo. E a prefeita de Paris, a socialista Anne Hidalgo, foi reeleita em uma plataforma para fazer da congestionada capital francesa uma Amsterdã – ou seja, um paraíso para ciclistas.

Todas as três maiores cidades da França têm agora prefeitos apoiados pelo Partido Verde. Macron respondeu prometendo 15 bilhões de euros (16,9 bilhões de dólares) para medidas de combate às mudanças climáticas. Isso é impressionante para um partido que, na França, só ganhou sua primeira prefeitura em 2015.

Na Irlanda, os verdes tiveram seu melhor resultado de todos os tempos no início deste ano, nas eleições gerais de fevereiro, e decidiram se juntar ao primeiro grande governo de coalizão do país - na condição de que o governo se comprometa a reduzir as emissões de carbono em 7% a cada ano. O país, um dos maiores emissores de carbono da Europa, pode finalmente estar ficando mais verde, mas o partido ambientalista deve ter cuidado para não ser usado como fachada para as políticas de austeridade fracassadas de seus parceiros de coalizão.

Na Alemanha, a longa marcha do Partido Verde em direção à respeitabilidade está quase completa. A legenda percorreu um longo caminho para se tornar um partido de protesto, tendo agora governado em quase todos os estados, bem como em nível federal. As pesquisas têm mostrado consistentemente o Partido Verde em segundo lugar em nível nacional - ou mesmo em primeiro - durante o ano passado, substituindo os social-democratas como o segundo partido da Alemanha, e um provável parceiro para a próxima coalizão governamental.

Uma ascensão meteórica considerando que eles foram o menor partido nas eleições para o Parlamento em 2017. As relações entre os verdes e seus antigos inimigos, a CDU de Angela Merkel, está descongelando mais rapidamente do que as calotas polares, com os líderes verdes parabenizando os democrata-cristãos por seu 70º aniversário. Um convite sutil à coalizão?

Será que o movimento verde vai virar uma verdadeira força política, a social-democracia do século 21? É pouco provável que isso aconteça da noite para o dia. Eles ainda não têm uma base leal que possa se comparar com os trabalhadores industriais e os sindicatos. Os partidos verdes são populares entre os trabalhadores do setor público com educação nas grandes cidades. Estes são, muitas vezes, ativos em questões de estilo de vida como o ciclismo e a reciclagem, mas silenciosos sobre políticas sociais, educação, segurança e outros temas importantes para o governo. Eles podem, inclusive, ser anticiência em questões como vacinação, homeopatia e energia nuclear. Pode ser difícil para eles se livrarem dessas crenças bobas sem alienar seus principais apoiadores.

Mesmo que não acabem liderando os governos nacionais tão cedo, os verdes podem governar as cidades mais habitadas e empurrar as partes à sua esquerda e direita para enfrentar adequadamente o maior desafio deste século, o aquecimento global. A resposta do presidente Macron no dia seguinte às eleições prova isso.

Ela também mostra que o planeta vence quando os verdes governam, ou quando seus rivais são forçados a adotar ideias outrora verdes. Os verdes estão crescendo e, embora nunca possam ser dominantes, eles podem se tornar uma força vital na política do futuro.


*James Jackson é Cientista Político em Portugal.



O setor já está em processo de regularização


Foto: Jair Rodrigues.


O vice-presidente da Câmara Legislativa, deputado Delmasso (Republicanos), encaminhou o ofício 246/2020 ao presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Daniel Rossiter, solicitando a individualização dos hidrômetros para cada lote do Setor Habitacional Bernardo Sayão.



O setor está em processo de regularização com trâmite na TERRACAP que realizou estudo preliminar na forma de Plano de Uso e Ocupação do Solo – PUOS, visando a aprovação da regularização de todo o setor.


Dessa forma, a individualização dos hidrômetros que é um anseio dos moradores, pode ser feita sem ferir o a legislação vigente, bem como a novas ligações de água que atenderão as demais residências.

Em 2016, Delmasso solicitou à NOVACAP as obras de drenagem de águas pluviais no setor e tem trabalhado pela melhoria na região. “Seguimos trabalhando para dar mais estrutura aos moradores do setor. Todos temos a ganhar com essas melhorias que fazem a diferença na vida das pessoas”.

Daniel Donizet (PSDB) e Roosevelt Vilela (PSB), ambos da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais da Câmara Legislativa, vão debater ações do Legislativo sobre o tema



Os casos de abandono e de maus-tratos de animais domésticos têm crescido durante a pandemia do novo coronavírus em várias partes do Brasil, segundo apontam ONGs. Para além da situação de bichos de estimação e de animais domesticados, as recentes denúncias de criação de animais silvestres e exóticos em cativeiro acendeu o debate sobre a causa animal. O assunto será o foco da "Live CLDF" desta quinta-feira (30). Transmitido ao vivo pela TV Web, a partir das 17h, o programa vai contar com a participação dos deputados Daniel Donizet (PSDB) e Roosevelt Vilela (PSB), ambos da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais da Câmara Legislativa.

"A sociedade não aceita mais a crueldade contra os animais e está ciente de que há mecanismos jurídicos para coibir essa prática. É nossa responsabilidade criar mais meios de combate aos maus-tratos a animais. Já não basta o sofrimento de tantos cachorros e gatos que estão abandonados, com fome, especialmente nesse período de pandemia? Devemos ser mais duros com os agressores para pôr um fim em tudo isso", argumenta Donizet.

O parlamentar tucano é autor de uma série de projetos voltados à proteção animal; muitos dos quais já viraram lei no Distrito Federal, a exemplo da proibição de rinhas, da autorização do transporte de pets em ônibus e metrô, e da proteção dos chamados "animais comunitários". Outras proposições do distrital seguem em tramitação na Casa, como a que proíbe o uso de coleiras de choque.

Já o deputado Roosevelt Vilela é o responsável pela lei de criação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Veterinário (SamuVet) no DF. O objetivo é permitir o atendimento 24h de animais atropelados em vias públicas, que estejam em situações de risco e/ou que tenham sofrido maus tratos. "A implementação do SamuVet trará grandes benefícios sociais e ambientais para DF, além de contribuir para a conscientização da população sobre a importância de um tratamento digno aos animais", afirma.

Programa semanal

Esta será sexta edição da "Live CLDF", programa semanal produzido e mediado pela Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) da Câmara Legislativa. Toda semana, um tema diferente em debate por dois deputados distritais. Durante a live, os interessados podem enviar perguntas aos parlamentares por meio do chat no canal da Casa no Youtube. Os programas já transmitidos ficam disponíveis no mesmo canal.

Nova cédula de R$ 200 terá como personagem o lobo-guará; medida visa atender aumento da demanda por dinheiro em espécie durante a pandemia



O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou na tarde desta quarta-feira (29) que aprovou o lançamento da cédula de R$ 200, que terá como personagem o lobo-guará.

A nova nota deverá entrar em circulação a partir do final de agosto. A previsão é que sejam impressas 450 milhões de cédulas de R$ 200,00 em 2020.

A diretora de administração do Banco Central, Carolina de Assis Barros, concedeu entrevista coletiva, por meio do canal do Banco Central no YouTube, para dar mais detalhes sobre a novidade.

Além das novas cédulas, Carolina anunciou que o Banco Central irá imprimir também mais notas de R$ 100, o que deve totalizar um custo de R$ 113,8 milhões aos cofres públicos.
“Dinheiro embaixo do colchão” na pandemia

Segundo Carolina, em momentos de crise como o atual, existe uma tendência de entesouramento de recursos, o que significa que as pessoas guardam mais dinheiro em espécie, ou “embaixo do colchão”, como os próprios diretores do BC explicaram.

A diretora apresentou dados do próprio Banco Central que mostram que o entesouramento no país foi de R$ 265 bilhões em 2018, avançou para R$ 281 bilhões em 2019 e neste ano a projeção é que chegue em R$ 301 bilhões, um recorde histórico, por causa da pandemia.

“A gente percebeu três motivos principais para o aumento do entesouramento: pessoas e empresas fizeram saques para formação de reservas; no comércio, de forma geral, houve diminuição das compras após o início das medidas de isolamento; e os beneficiários do auxílio emergencial não retornaram dinheiro ao sistema bancário com a velocidade que esperávamos”, explicou Carolina.

Ela afirmou ainda que a quantidade de papel-moeda em poder do público subiu 28,24% durante a pandemia, passando de R$ 216 bilhões em março para R$ 277 bilhões em julho. O valor representa todo o dinheiro em espécie que circula pelo país, excluindo o dinheiro mantido no caixa dos bancos para eventuais saques de clientes.

“As pessoas tendem a acumular reservas dinheiro em tempos de incerteza. Nós vemos aumentos expressivos de impressão de moedas em casas impressoras e cunhadoras aqui e no mundo todo em períodos como esse”, diz Carolina.

Questionada se a criação de uma nova nota não vai contra o movimento de modernização dos meios de pagamento no país e o lançamento do PIX – novo sistema de pagamentos instantâneos do BC -, a diretora do BC disse que a autoridade está apenas atendendo a uma demanda da população. Ela também afirmou que não existe relação entre a nova nota de R$ 200 e um eventual aumento da inflação.

“Não há relação entre a colocação da nova cédula e o sistema de metas para controle da inflação. Nossa inflação está baixa e estável. O que temos é tão somente o Banco Central agindo preventivamente porque a população pode vir a demandar mais numerário [dinheiro em espécie]”, afirma Carolina.
Imagem

A diretora do BC afirmou que a cédula está em fase final de testes de impressão, mas disse que a imagem não será divulgada por enquanto por motivos de segurança.

“É uma boa prática internacional de bancos centrais não revelar características das cédulas antes do lançamento oficial. Quando chegar o lançamento, no fim de agosto, vamos entrar com uma campanha de utilidade pública para educar a população sobre o uso da nova cédula”, disse Carolina.


Sobre a escolha do lobo-guará para ilustrar a nota, ela afirmou que a decisão veio de uma pesquisa feita com a população em 2001. Na época, o Banco Central questionou quais animais em extinção os brasileiros gostariam de ver estampados nas cédulas de reais. “A tartaruga marinha ficou em primeiro lugar e está na nota de R$ 2, o mico-leão-dourado ficou em segundo e está na nota de R$ 20 e o lobo-guará, terceiro colocado, agora vai ilustrar a nova nota de R$ 200”, explicou..


Cerca de 60% dos serviços de drenagem e pavimentação dos lotes 1, 2 e 3 foram concluídos 

Foto: Renato de Castro.

Retomadas em julho de 2019, as obras de infraestrutura nos lotes 1, 2 e 3 do Setor Habitacional Bernardo Sayão, no Guará, continuam em andamento mesmo durante o período chuvoso. No lote 1, as obras de drenagem e pavimentação estão à todo vapor. Serviço com orçamento de R$10,5 milhões, com previsão de entrega em setembro de 2020. 

Já no lote 2, as obras de drenagem e pavimentação alcançaram 65% de execução. No momento, a empresa responsável pelas obras concentra seus esforços na adequação do projeto da lagoa de detenção e acabamentos. Obra com orçamento de R$11,5 milhões, com previsão de entrega em novembro de 2020. 

“Como a cidade continuou crescendo depois do projeto original, precisamos readequar o projeto para que a lagoa, peça fundamental para o perfeito funcionamento do sistema de drenagem, possa ser executada sem comprometer moradores e comerciantes da região”, explica Ricardo Terenzi, subsecretário de acompanhamento e fiscalização de obras. 

No lote 3 os serviços estão mais adiantados. Por lá, 75% dos serviços de drenagem e pavimentação foram concluídos. Obra com orçamento de R$16 milhões, com previsão de entrega em outubro de 2020. 

Os lotes 4 e 5 já estão licitados e contratados, com previsão de início das obras para agosto de 2020. O lote 4 tem o orçamento de R$14 milhões, já o lote 5 tem uma previsão de custar 13.6 milhões. 

“As obras haviam sido suspensas em função de alterações no projeto executivo, sabemos dos transtornos ocasionados pela realização de obras em uma cidade já habitada e em funcionamento. No entanto, estamos buscando juto ao GDF conclusão dos serviços de forma acelerada, pois só assim será possível acabar com os problemas de poeira e alagamentos, assim como avançar na regularização do Setor”, comenta o deputado Delmasso, morador e representante do Guará na Câmara Legislativa do Distrito Federal. 

“Com um cronograma de obras arrojado e ritmo intenso, cumprimos o compromisso de entregar parte das obras concluídas antes das chuvas”, afirma o Secretário de Obras, Luciano Carvalho. 

“Durante o período chuvoso, avançamos nas obras de drenagem. Com a chegada do período seco, vamos focar na pavimentação e sinalização. A expectativa é alta quanto à conclusão total dos serviços nos dois lotes neste ano”, complementa Carvalho. 

Sobre a obra 

As obras de urbanização no Setor Habitacional Bernardo Sayão ou o novo Guará Park incluem a execução de 32 km de rede coletora de águas pluviais e 46 km de pavimentação asfáltica, calçadas e meios-fios, num investimento de mais de R$ 56 milhões. Os serviços tiveram início em 2017 e a previsão é de que sejam concluídos em 2021.



Foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal, desta terça-feira (21/),a lei a distrital nº 6.637/2020 cria o Estatuto da Pessoa com Deficiência do DF. Lei de autoria do deputado Iolando (PSC) busca assegurar equidade de oportunidades, apoio e garantia de direitos



Foto: Renato de Castro.

A nova legislação, De autoria do deputado Iolando Almeida (PCS), objetiva a inclusão social, ao assegurar condições de equidade às pessoas com deficiência no que se refere a direitos humanos e fundamentais.

Entre os direitos que trata o Estatuto, está o atendimento prioritário e integral à saúde, o direito à habitação, à educação e ao trabalho. "O DF deu um passo a mais em direção à garantia dos direitos das Pessoas com Deficiência. Esta Lei é uma conquista para este segmento", destaca o distrital, que é referência na Casa por seu trabalho em benefício dessa população.


"Trabalhar por esse público é uma missão para mim, e farei de tudo para priorizar todas as demandas em favor das pessoas com deficiência. Temos cerca de 650 mil pessoas com algum tipo de deficiência no Distrito Federal, e elas merecem nosso cuidado e respeito em prol de suas causas", ressalta o deputado Iolando.



Esse mundo existe?


Por Jean Sigel


O ano era 2015. A Escola de Criatividade fez parte da curadoria de conteúdo e experiência criativa para um grande evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em Brasília. Auditório lotado com dois mil empresários para a fala do palestrante mais esperado e que encerraria o evento. Tratava-se do ex-presidente americano, Bill Clinton. Entre mensagens de otimismo e união dos empresários em meio a grave crise política e econômica que o país atravessava naquele ano, ele dava grande destaque a uma frase que citava quase como um mantra ao longo do discurso. “O mundo pertence aos que cooperam”. Nesse momento olhei pra minha sócia e cochichei ao ouvido: “Finalmente algum líder está falando uma verdade direta e corajosa a tantos empresários”.

Antes de encerrar sua fala, o ex-presidente fez questão de ressaltar que o melhor livro sobre política e estratégia lido por ele, “A conquista social da terra”, foi escrito por um entomologista americano, Edward Osborne Wilson, que fala sobre a forma como abelhas, formigas e o ser humano conseguem avançar em suas sociedades justamente por meio da cooperação.

A fala nos remeteu às tantas cooperativas de diferentes setores que atendemos com treinamentos e eventos e que possuem em seu código genético esse mundo no qual o ex-presidente se referia. Nesses anos todos muito próximo delas, desde cooperativas de crédito, saúde, agro e outras, chegamos a conclusão que não só temos ensinado, como também aprendido e muito com elas. Diria que uma troca cooperativa de sabedoria e propósito.

Desde que conhecemos esse mundo do cooperativismo, e das pessoas que cooperam por objetivos e propósitos comuns, nosso olhar em relação ao mundo do trabalho mudou completamente. A forma de atender e desenvolver nossos conceitos e projetos, evoluiu. Cada conteúdo, projeto ou treinamento novo teria que instigar mais colaboração, cocriação e ter o olhar de impacto do todo que as cooperativas sempre nos ensinaram.

Como não se encantar com empresas altamente eficazes que também se preocupam, na mesma dose, com seu papel na sociedade e como sua comunidade pode ser impactada positivamente?

Ou onde tudo que é produzido retorna de várias formas pra você mesmo e para a comunidade?

Como não aprender e se sensibilizar com um sistema que tem como princípios: a adesão voluntária e livre, gestão democrática, participação econômica dos cooperados, autonomia e independência, educação, formação e informação, intercooperação, e interesse pela comunidade? Princípios e valores que formam a razão de existir de um negócio, seguidos em todo mundo e que hoje se alinham inclusive com os objetivos do milênio da ONU para o desenvolvimento sustentável.

Como não ficar impactado com cooperativas que destinam boa parte de seus resultados a projetos socioeducacionais para crianças e jovens, como parte central de seu negócio, e não como ferramenta de marketing social conveniente e provisório feito por algumas empresas?

O que esperar de comunidades e regiões onde cooperativas estimulam e desenvolvem projetos voltados ao empreendedorismo e liderança da mulher e a temas sensíveis relacionados a preconceito, assédio, equidade e oportunidade? Ver jovens e experientes mulheres unidas em busca de conhecimento e atitude, nos cantos mais distantes do país é uma dose de otimismo na veia para uma sociedade mais igualitária.

Pois é. Esse mundo existe. Nesses anos todos atendendo cooperativas concluímos que é um mundo que dá certo e evolui, justamente pelo equilíbrio que propõe. Um mundo não apenas onde todos fazem parte por norma, mas onde todos se sentem parte verdadeiramente. Senso de pertencimento real, sem propaganda enganosa, que une a todos em torno de algo maior, entre gestores, colaboradores, cooperados e a população. Cresce e se desenvolve junto com as pessoas. É inovador e sensível a causas necessárias para o mundo. Pois sabe que a inovação depende de pessoas e que o crescimento só acontece quando colaboramos uns com os outros. Onde o impacto econômico e social é parte do negócio. É mais do que um sistema ou princípio.

Cooperar é um modo de ser e sentir. Um lifestyle bom de viver e trabalhar. E para acessar o portal a esse outro mundo, basta uma palavra mágica: cooperar.

O mundo pertence aos que cooperam.




*Jean Sigel é palestrante e co-fundador da Escola de Criatividade de Curitiba.



O investimento em inteligência artificial visa colaborar com o trabalho das polícias no DF  

Foram instaladas na Candangolândia 12 câmeras de monitoramento, destas 8 são fixas e 4 móveis. A compra do material foi feita através de emenda parlamentar do deputado distrital Hermeto (MDB), que considera a segurança da comunidade uma prioridade em seu mandato.

As câmeras foram distribuídas conforme as manchas criminais identificadas pela secretaria de segurança pública, além das entradas e saídas da cidade e áreas comercias.

Jairo é proprietário do restaurante Capricho Gaúcho localizado na Rua dos Transportes, uma das principais vias da cidade e relatou ter tido sua loja arrombada pelo menos duas vezes, entre outras tentativas.

“Já passamos por problemas de arrombamento aqui algumas vezes e considero a instalação de câmeras de monitoramento muito importante para nós comerciantes, nos sentimos mais seguros, com o estabelecimento sendo vigiado. ”

Marcolina mora há mais de 40 anos na quadra 05 da Candangolândia e relatou que existem lugares específicos onde a criminalidade atua tranquilamente.

“Com as câmeras acho que vai diminuir bastante o tráfico de drogas explicito em certos lugares, os bandidos vão se sentir mais acuados. ” Completou a moradora.

O deputado distrital Hermeto também destinou emenda para a instalação de câmeras de monitoramento para o núcleo bandeirante, que já estão em funcionamento.

“Já conseguimos instalar algumas câmeras, mas estamos em busca de mais, com o baixo efetivo de policiais militares no momento, é importante investir em inteligência artificial, como forma de ajudar a manter a ordem e a segurança da comunidade. ” Finalizou o parlamentar.

Por Larissa do Vale.

 


O Deputado distrital Hermeto (MDB) é grande candidato a conselheiro do tribunal de contas do Distrito Federal



O ano de 2021 será marcado pela escolha de um novo Conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal, por conta da aposentadoria compulsória do conselheiro Paiva Martins, que completará 75 anos.

Na Câmara Legislativa tramita uma proposta que altera a forma de escolha dos conselheiros do TCDF. A próxima vaga de Conselheiro é exclusiva de auditores, porém o TCDF não possui nenhum auditor. Por isso a proposta deve ser alterada dando poderes para que a CLDF escolha o próximo Conselheiro.

Nos corredores do Palácio do Buriti corre o nome do deputado Hermeto. O distrital tem excelente relacionamento com o governador Ibaneis e pode vir a ter o padrinho como cabo eleitoral para a vaga do TCDF.

Tentamos contato com Hermeto, mas até o fechamento desta matéria não houve resposta.

Por Milton Gonçalves
Fonte: Edibrasília

 




Através de indicação Hermeto resolve demanda antiga de falta de iluminação e segurança

 

Moradores do Núcleo Bandeirante fizeram um vídeo comemorando e agradecendo o reparo nas lâmpadas nos postes de iluminação localizados em um Beco na Avenida do Contorno.

A falta de iluminação neste trecho já incomodava a comunidade há mais de 10 anos. O morador Jorge Veloso solicitou ao deputado Hermeto (MDB) que o auxiliasse a resolver este problema pois durante a noite o local fica muito perigoso.

André que mora em uma casa situada neste beco relatou que:

“Na frente da minha casa todas as lâmpadas estavam queimadas, corredor perigoso, muita violência, além de várias casas que já foram roubadas. Com a lâmpada agora eu só tenho a agradecer, eu e minha família estamos nos sentindo mais seguros. Agradeço pela força aí, é uma coisa que estamos pedindo a muitos anos! ” Agradeceu André.

No vídeo os moradores também agradecem a rapidez em que seu pedido foi atendido, dentro de dois dias estava tudo resolvido. Hermeto afirmou que a segurança dos moradores tem que ser prioridade nas demandas.

“As demandas que colaboram para ajudar a melhorar da segurança do morador têm sempre que estar em evidência, e o administrador Adalberto também sabe desta importância, por isso vem atendendo com muita eficiência esse tipo de demanda. ” Afirmou Hermeto.

 

Por Larissa do Vale.




Doações incluíram peças em bom estado, prontas para uso, e foram entregues em embalagens higienizadas individuais para evitar contaminação


Foto: Ricardo Lopes.

O Comitê de Voluntariado da Câmara Legislativa, vinculado à Vice-Presidência da Casa, realiza esta semana a campanha "CLDF Aquece", um esforço concentrado de arrecadação de roupas de frio e cobertores para pessoas carentes do Distrito Federal, que tiveram sua situação agravada em consequência da pandemia. O Legislativo local segue recebendo doações em parceria com a Campanha do Agasalho do GDF, ação desenvolvida pela primeira-dama, Mayara Rocha.

A coordenadora do Comitê de Voluntariado, Rafaela Abrantes, explica que o montante arrecadado será inventariado nos próximos dias e que, na segunda-feira (27), será escolhida a instituição assistencial que irá receber os donativos. As doações incluíram peças em bom estado, prontas para uso, e foram entregues em embalagens higienizadas individuais para evitar contaminação.

"A campanha Aquece CLDF foi um desafio que encaramos com muita garra e amor. E o resultado está sendo surpreendente. Até sexta seguimos recebendo doações que serão entregues já na próxima semana", destacou Rafaela.

Mobilização - Além das doações de servidores da Casa, que ainda não foram contabilizadas, e de servidores do BRB (30 cobertores), os aprovados do último concurso público da CLDF decidiram somar forças para impulsionar o volume de doações. Em pouco mais de 24h, o grupo reuniu cerca de 500 agasalhos e 100 cobertores.

Segundo Múcio Botelho, representante da Comissão dos Aprovados da CLDF, a ideia por trás da campanha é deixar claro que os aprovados do concurso já estão comprometidos com as ações da Casa. "Essas doações mostram o que um grupo de pessoas bem preparadas pode fazer em pouco tempo. Queremos fazer muito mais após sermos nomeados", pontuou.

A comissão destaca ainda que deu preferência a pequenos estabelecimentos e brechós da cidade. Dessa forma, além de ajudar quem está passando frio, colaboraram com comerciantes que também estão passando dificuldades.


Não existe almoço grátis. No Brasil não é costume usar essa expressão idiomática, criada pelo escritor estadunidense Robert Heinlein, mas no seu país de origem ela é famosa



Os economistas costumam utilizá-la para dizer que nada é de graça, ou seja, se você não paga a conta outra pessoa paga por você. Porém o sentido que utilizo aqui é um pouco diferente, e se encaixa mais no contexto das relações emocionais: você (quase) sempre paga a conta.


Por Rodrigo Tavares Mendonça

A história deste artigo começa com uma paciente minha, mulher, que tem uma história semelhante à de muitas outras mulheres no Brasil e no mundo. Ela sempre aceitou que o
marido pagasse todas as despesas da casa, dos filhos e muitas das dela, apesar de trabalhar. O marido era o tradicional homem provedor. Se houvesse respeito à fidelidade na relação conjugal, não haveria problema para essa paciente em específico. Mas não havia. 

O que ela não percebia, contudo, era que a falta de respeito era um dos preços que ela pagava por ter uma vida de conforto e submissão. A submissão é o preço mais comum que a mulher paga por receber os benefícios do homem provedor, embora isso não seja uma exclusividade feminina. 

A pessoa que paga adquire mais poder sobre a que recebe. Pagar a conta costuma acompanhar uma exigência posterior. Essa exigência pode ser direta como “você deve transar comigo porque eu paguei a sua bebida”, ou sutil como “me ame”, “me dê atenção e carinho”, “limpe a casa para mim”, “faça isso ou aquilo por mim”. E pode ser ainda mais sutil: a pessoa que paga pode se sentir no direito de escolher onde passar as férias, qual casa comprar, com quais amigos sair no fim de semana, em qual cidade morar. Enfim, tomar as decisões do casal ou da família. Dinheiro é poder, como disse o filósofo inglês Thomas Hobbes; e isso vale também para as relações emocionais.


Minha paciente sofreu várias traições ao longo de mais de dez anos de casamento. E ela acreditava que não pagava nenhum preço por receber todo o conforto que recebia. Na terapia, percebeu que a falta de respeito era em parte consequência da sua submissão. E percebeu ainda mais: quando recebia algo do marido tendia a querer retribuir. Ou seja, o preço que pagava na maioria das vezes era de livre e espontânea vontade. Em termos gerais, se você recebe você tende a querer dar algo em troca. Se você recebe atenção e carinho você tende a querer, ou mesmo a se exigir, dar atenção e carinho de volta.

O psicólogo Steven Dallas e a professora de marketing Vicki Morwitz, ambos da New York
University, pesquisaram sobre a tendência do ser humano de retribuir, no contexto das relações de negócios. Foram oferecidas aos 562 participantes da pesquisa três opções: (1)
usar wi-fi de graça, (2) usar wi-fi de graça com a retribuição de fazer cadastro no site provedor e (3) pagar para usar o wi-fi. Curiosamente, a maioria dos participantes preferiu usar o wi-fi fazendo o cadastro. Ou seja, eles preferiram retribuir o que ganharam de graça. 

E esse padrão de comportamento se repete nas relações normais do dia a dia. Você tende a retribuir o que você ganha, seja em dinheiro ou somente em atenção, carinho ou submissão. Ficar atento ao preço que se paga por receber presentes demais ou ter todas as despesas pagas pelo companheiro ou pela família (sim, os pais tendem a ter mais poder sobre os filhos quando pagam as suas contas) é um comportamento importante de prevenção. Contudo, relações de trocas amorosas não são necessariamente ruins. Se você dá atenção e carinho é bom que você receba atenção e carinho de volta. O que não é bom é que o preço se transforme em relações de poder e submissão, especialmente quando a falta de respeito é um ingrediente desse tipo de relação.

Por fim, afirmo que a exigência posterior não é uma lei universal. A gratuidade pode ser vista como um fundamento do amor, ou seja, dar sem exigir nada em troca. O problema é que a exigência posterior costuma ser invisível. Em nossa sociedade, a expressão idiomática tratada neste artigo se mostra verdadeira na maioria das relações emocionais. Alcançar a gratuidade talvez seja um desafio para todo ser humano que busca se melhorar eticamente. E ficar atento ao preço invisível que se paga é um comportamento de prevenção, especialmente para as mulheres, que são um grupo mais vulnerável a sofrer relações de submissão e, inclusive, de violência.

*Rodrigo Tavares Mendonça é psicólogo e especialista em psicoterapia de família e casal.

As boas práticas de gestão do Grupo Sabin conquistaram mais um reconhecimento. Nesta quinta-feira, dia 23, o Sabin conquistou o 1º lugar no ranking GPTW Centro-Oeste, que elencou as melhores empresas para trabalhar na região


Foto: Mariana Rezende.

O anúncio, que aconteceu de forma virtual, premiou e valorizou a atuação das empresas de diferentes setores que investem em cultura organizacional com o objetivo de incentivar talentos e promover um ambiente saudável de trabalho. 


O Sabin figura, pelo 17º ano seguido, na lista das melhores empresas para se trabalhar e desde 2007, ocupa os primeiros lugares da premiação.

Os condomínios ou edifícios do Distrito Federal deverão manter a higienização periódica das portas, maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones e elevadores


Foto: José de Paula.

A Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais no Dsitrito Federal - ABRASSP-DF e o SindiCONDOMÍNIO-DF pediram ao parlamentar Reginaldo Sardinha (Avante), que retirasse o prazo da higienização e o horário que era de 2 em 2 horas e das 6h às 22h para que pudessem se organizar da melhor forma a fim de cumprirem a nova regulamentação. De acordo com o grupo de representantes os edifícios e condomínios têm diferentes jornadas e números de funcionários. 
LEI Nº 6.641, DE 21 DE JULHO DE 2020
(Autoria do Projeto: Deputado Reginaldo Sardinha)
Altera a Lei nº 6.562, de 28 de abril de 2020, que torna obrigatória a higienização periódica das portas, maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones e elevadores para todos os edifícios ou condomínios no Distrito Federal, em razão das medidas de combate à Covid-19, e dá outras providências.
O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, FAÇO SABER QUE A CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:
Art. 1º A Lei nº 6.562, de 28 de abril de 2020, passa a vigorar com as seguintes alterações:
I – a ementa passa a vigorar com a seguinte redação:
Torna obrigatória a higienização periódica das portas, maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones e elevadores nos espaços de uso coletivo de todos os edifícios ou condomínios no Distrito Federal, em razão das medidas de combate à Covid-19, e dá outras providências.
II – o art. 1º passa a vigorar com as seguinte redação:
Art. 1º Fica assegurado aos condôminos o direito à higienização periódica das portas, maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones e elevadores nos espaços de uso coletivo de todos os edifícios ou condomínios no Distrito Federal, em cumprimento às medidas adotadas pelo poder público para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da Covid-19, causada pelo novo coronavírus.
III – o art. 2º passa a vigorar com a seguinte redação:
Art. 2º A higienização a que se refere o art. 1º deve ser realizada em intervalos que garantam total assepsia, na forma dos protocolos das entidades sanitárias oficiais, com álcool 70% ou material análogo capaz de exterminar o vírus da Covid-19, causada pelo novo coronavírus.
Parágrafo único. O descumprimento desta Lei acarreta ao infrator multa de R$ 2.000,00 por infração, dobrada em caso de reincidência.
Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 3º Revogam-se as disposições em contrário.
Brasília, 21 de julho de 2020
132º da República e 61º de Brasília
IBANEIS ROCHA
Para Sardinha o importante é que a higienização seja realizada em todos os edifícios. "Estamos lidando com uma pandemia, precisamos que os moradores, funcionários e outros possam ter essa higienização mais eficaz. Não podemos esquecer que essa é uma das formas mais seguras de profilaxia contra o COVID-19", disse. Sardinha ainda completou citando que vai incluir ao PL a obrigatoriedade da apresentação um Plano de Contingência com as medidas que foram adotadas em cada condomínio. 

A Livânia Tavares Nóbrega, 56 anos, mestre em Direito e Políticas Públicas e síndica do Condomínio ART LIFE DESIGN, em Águas Claras reconheceu que a ação do deputado foi "boa". “A intenção do legislador, para preservar a saúde pública, diante da pandemia, mas o que deixou os síndicos estarrecidos, nesta lei, foi a obrigatoriedade de higienizar, num lapso temporal de 2 horas, das 6 às 22h, todas as maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones, elevadores e portas, dos edifícios e condomínios, diariamente". 

Na SQSW 101 do Sudoeste, de acordo com o prefeito da quadra, José Antônio de Souza essa e outras medidas já vinham sendo tomadas pelos edifícios. “A Prefeitura buscou seguir as orientações da OMS e do Ministério da Saúde fazendo a divulgação das recomendações sobre o Coronavírus, para a comunidade, através de banners colocados estrategicamente na nossa quadra", explicou. Além disso, segundo o prefeito, todos os síndicos foram orientados sobre o processo de higienização e colocação de álcool em gel em pontos estratégicos, bem como outras medidas preventivas a serem adotadas.

Legislação
O texto do projeto prevê que a limpeza seja realizada com álcool 70% ou com material análogo capaz de matar o vírus. A proposição tem vigência temporária de 6 meses ou até quando perdurar o surto da doença. A Lei, que entra em vigor na data da sua publicação, prevê multa de R$ 2.000 para quem não se adequar. O órgão de fiscalização será indicado pelo próprio GDF.

O parlamentar lembrou que estamos falando de uma medida emergencial. “Precisamos garantir que superfícies como maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones, elevadores e portas estejam higienizados com maior frequência do que já são”, explica. Sardinha lembra ainda que os locais comuns citados podem ser foco da proliferação do vírus. “Temos que ter a consciência de que a sobrevida do vírus pode durar até dias. Então, a pessoa pode apertar o botão do elevador e ter contado com o Novo Coronavírus. Vamos prevenir”, alertou.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) sancionou uma lei que obriga os edifícios ou condomínios do Distrito Federal a realizarem a higienização periódica das portas, maçanetas, corrimãos, puxadores, interfones e elevadores nos espaços de uso coletivo. O objetivo é reforçar as ações de combate ao coronavírus. A medida foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quinta-feira (23/7)

A lei determina que a limpeza deve ser feita em intervalos que garantam a higienização total desses espaços, respeitando os protocolos das entidades sanitárias oficiais, com álcool 70% ou material semelhante capaz de eliminar o vírus da covid-19, causada pelo novo coronavírus. 


A multa para quem descumprir a lei será de R$ 2.000,00 por infração. Em caso de reincidência, o valor será dobrado.


O Administrador de Ceilândia, Marcelo Piauí filia-se ao Progressistas. Acompanhado da presidente regional do partido, Celina Leão, e do líder nacional do PP, Ciro Nogueira, o advogado assinou a entrada na sigla

Foto: Aderval Andrade.

O Administrador de Ceilândia, Marcelo Piauí, filiou-se nesta quinta-feira (23/7) ao Progressistas. A legenda é comandada no DF pela deputada federal licenciada e atualmente no cargo de secretária do Esporte e Lazer, Celina Leão.

Marcelo Piauí, disse que o fato de se filiar ao Progressistas, por estar na vida pública e receber vários convites estou indo para um partido. “Mas o meu objetivo, hoje, é Ceilândia. Meu foco é cuidar da cidade. Não se esqueça que eu estou administrando uma das maiores cidades do Brasil. Isso para mim é muito importante, para vida de um ser humano.”

Segundo Piauí, o convide partiu do presidente nacional do Progressistas, Ciro Nogueira, juntamente com a presidente local Celina Leão. E em uma conversa cheguei à conclusão de que deveria ir para o partido. Estou muito feliz, entrei no partido e não quero sair dele nunca mais. Eu quero me filiar uma vez na vida”, disse animado Marcelo Piauí, que nunca fora filiado a nenhum partido.

Questionado se Marcelo Piauí será opção para os eleitores em 2022 para deputado distrital. Ele respondeu que não iria “tratar disso, agora, não”.

A filiação de Piauí foi acompanhada pelo presidente nacional da sigla, senador Ciro Nogueira (PI). Ceilândia é a cidade mais populosa do DF. Uma região que atrai o interesse de muitos políticos por ser um celeiro de votos.

Piauí é advogado. Não tem histórico político, mas se movimenta no sentido de concorrer às próximas eleições. É um amigo próximo do governador Ibaneis Rocha (MDB), de quem já foi sócio no escritório de advocacia.



Seja na vida pessoal ou no ambiente de trabalho o tempo parece estar passando cada vez mais rápido



Por isso precisamos sempre gerir nosso tempo, planejando o que deve ser feito e mensurar o tempo dedicado à cada atividade. A definição parece bem simples, porém sua execução pode ser bem mais complexa. Principalmente no trabalho, em que as rotinas são cada vez mais dinâmicas e há cada vez mais demandas para serem entregues. Por isso, quando se diz que certa pessoa faz uma ótima administração do tempo no trabalho, trata-se, na realidade, de alguém que tem foco e sabe estabelecer prioridades, inclusive, prevendo espaços para folga. 



Adotar boas técnicas de gestão do tempo não significa espremer o máximo de tarefas que você puder em seu dia. Trata-se de otimizar a forma como você trabalha, executando tarefas mais simples de forma mais rápida para dedicar mais tempo àquelas mais complexas. Uma boa gestão do tempo impacta diretamente na sua qualidade de vida. 

E por isso o Sicoob DFMil oferece um atendimento exclusivo para condomínios, o Condomínio Vantagens, com o intuito de contribuir para a redução de custos e auxiliar na sua gestão como representante deste. Apresentamos uma conta corrente sem taxa de manutenção, possuímos a maior remuneração para o fundo de reservas (exclusivo para gestão), divisão anual das sobras com todos os associados, conta salário para seus funcionários, setor exclusivo voltado para Condomínios e atendimento diferenciado. Temos as melhores cotações para o seguro condominial obrigatório ou de vida em grupo, fruto de parceria com grandes seguradoras como a Tokio Marine, a SulAmerica, Mapfe, entre outras. E muito mais. 

Não perca tempo e aproveite todas essas vantagens. Marque uma visita com nosso gerente Bernardo (61) 99644-5683 ou com nosso setor de condomínios (61) 99650-7013 / 3223-0953.



Tecnologia do Blogger.