Foram vacinados 190 mil idosos. Saúde espera alcançar mesmo nível na próxima fase

Ministério recomenda adiar vacinação de crianças contra a gripe ...

A primeira semana de Campanha de Vacinação contra a gripe termina com saldo positivo no Distrito Federal. Até a manhã desta sexta-feira (27), 93% dos idosos foram imunizados, cerca de 190 mil pessoas com mais de 60 anos. Pouco mais de nove mil trabalhadores da saúde também receberam a vacina. A expectativa da pasta é que as próximas duas etapas da campanha, que vai até 22 de maio, tenha a mesma adesão.

“Isso é um marco. Nunca houve, na história do DF, uma cobertura tão ampla de vacinação como essa. Aproveito para agradecer a todos os profissionais de saúde que estiveram envolvidos e pedir a compreensão da população para que sigam as orientações e o cronograma da Secretaria de Saúde, pois estamos recebendo as doses de forma gradativa”, diz o secretário de Saúde, Francisco Araújo.

A pasta priorizou os idosos e profissionais de saúde, na primeira fase da campanha, em razão da fragilidade deste público. A partir de 16 de abril, serão incluídos professores, profissionais das forças de segurança e salvamento e portadores de doenças crônicas. “Também vamos incluir neste público os cerca de três mil jornalistas do DF nesta fase”, anunciou Francisco Araújo.

No dia 9 de maio, inicia a fase para crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), indígenas, jovens em medida socioeducativa e população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional. “Neste ano, o Ministério da Saúde também incluiu, nesta fase, pessoas com idade entre 55 e 59 anos”, destacou o secretário adjunto de Assistência, Ricardo Tavares.

A meta da campanha é vacinar 912.914 pessoas dentro de todo o público-alvo. A estimativa é que o Ministério da Saúde envie, de forma gradativa, um total de 1.015.600 doses ao Distrito Federal. Até agora, já foram entregues 352.800 doses.

“Esperamos ter uma sobra para abrir a vacinação para mais pessoas ao final da campanha que, à princípio, vai até 22 de maio e não precisará ser estendida”, diz Ricardo Tavares.

SEGUNDA FASE 
De acordo com Ricardo Tavares, nesta segunda fase não será mais utilizado o sistema drive-trhu. “Foi um recurso usado para ajudar a população idosa, pois muitas pessoas nessa faixa etária têm dificuldade de locomoção. Além disso, esperar numa fila de carros, mas mantendo o isolamento dentro do automóvel, ajudou a proteger essas pessoas com relação ao coronavírus”, destaca o secretário-adjunto.

De acordo com o secretário de Saúde, Francisco Araújo, o Ministério da Saúde enviou ao DF 216 mil doses de vacina, na terça-feira (25). “A próxima remessa está prevista para 7 de abril, porém, estou em conversa com o ministério para que a gente consiga antecipar a chegada”, adianta o secretário. Ele diz que, se a população respeitar as fases da campanha, não faltará vacina.

“Tivemos atraso na entrega essa semana, devido ao cancelamento de voos e as doses precisaram vir por transporte terrestre e isso acabou provocando atraso. Mas, mesmo com isso, não houve prejuízo na vacinação. Contamos com o trabalho árduo dos servidores, que vacinaram sob chuva e a noite”, lembra Ricardo Tavares.



Na contramão do combate ao coronavírus, deputada diz que campanha de utilidade pública é “inaceitável”




Em meio a pandemia do coronavírus, que atinge o país e que se espalha no DF, a deputada distrital Júlia Lucy (NOVO) se posicionou contra a aprovação do projeto do Governo do Distrito Federal, que pede a aprovação da Câmara Legislativa, o remanejamento de R$63 milhões para as campanhas de interesses públicos. Para a deputada, orientar a população sobre os cuidados contra a doença, não é relevante.

Com a chegada do coronavírus ao Brasil (Covid-19), os órgãos dos governos (União e Estados) se articularam rapidamente em ações de várias frentes.

A Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom), por exemplo, iniciou no último dia 14, a campanha publicitária “Juntos Somos Mais Fortes”.

O governo federal destinou mais de R$ 1 bilhão para informar e orientar a população brasileira sobre os risco da pandemia.

Os governadores de São Paulo e do Rio de Janeiro adotaram a mesma linha com peças publicitárias veiculadas nos veículos de comunicação dos seus respectivos estados.

A intenção de todos os governos é de oferecer ainda mais informações para que a população se mantenha bem informada e preparada para lidar com eventuais casos de contaminação pelo vírus.

Além disso, em tempos de excesso de informações pela internet, principalmente pelas redes sociais, as campanhas publicitárias dos órgãos oficiais, é a arma necessária para prevenir a disseminação das fake news.

A maioria dos 24 deputados distritais sabem da importância da liberação dos recursos solicitados ao Legislativo pelo governador Ibaneis Rocha. Os recusos serão aplicados nas campanhas de utilidade pública, direcionada a saúde com informações sobre prevenção, sintomas e ações em caso de suspeita da doença.

Os mesmos recursos também serão aplicados nas campanhas de utilidade pública contra dengue. O DF está em 7º lugar no ranking nacional e está entre as unidades da federação com maior incidência de dengue no país.

Segundo os dados, são 59,03 casos a cada 100 mil habitantes. Outra preocupação do GDF se concentra também no combate da Influenza A/H1N1 cuja campanha de vacinação está em curso.

Na sessão remota da Câmara Legislativa, ocorrida na última terça-feira (24), a deputada Júlia Lucy anunciou ser contra a liberação dos recursos para as campanhas de utilidade públicas que sirvam para orientar a população sobre enfermidades que atacam e enclausuram a população.

O que pode ser “aceitável” para a deputada é destinar um Cargo Especial (CL-10), para alimentar um blog, que utiliza a estrutura da Câmara Legislativa e que custa aos cofres públicos R$ 11.279,75 por mês.

Para camuflar a propriedade do site de notícias, um funcionário da parlamentar é quem aparece como o dono do domínio.

A deputada do NOVO, também não ver problema algum destinar mais de R$ 2,5 milhões de suas emendas a uma associação para a realização de eventos culturais sem licitações.

Estamos vivendo o pior momento da história mundial, desde a Segunda Guerra. As campanhas de utilidade pública se tornam armas importantes no enfrentamento da prevenção da doença.

Que a “transparente e perfeita” deputada não atrapalhe os órgãos de governo de continuar orientando a população.


Com informações do Radar DF.



Paulo Melo

Em um mundo globalizado e frenético estamos rodeados de inúmeros acontecimentos que mesmo quando ocorrem no outro extremo do planeta, podem surtir efeitos imediatos em nossa própria localidade. Assim, entra em voga a importância e a necessidade da mídia, sobretudo da imprensa, que tem a função de nos atualizar sobre esses fatos a todo momento

O Projeto de Lei 1.035/2020 institui o pagamento do aluguel proporcional aos dias de funcionamento para os locatários de imóveis comerciais no DF durante a interrupção das atividades comerciais estabelecido pelo GDF


“O objetivo é preservar os empregos gerados pelo segmento empresarial que é responsável por grande parte da geração de empregos no DF e mitigar os prejuízos causado pela pandemia ao setor produtivo”, explica Roosevelt.  

O projeto segue para a sanção do governador.



A ideia é repatriar os brasileiros que estão em países, cujo os aeroportos estão fechados, em razão da pandemia mundial do COVID-19



O vice-presidente da Câmara Legislativa, deputado Delmasso (Republicanos), solicitou ao ministro Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, uma operação com urgência para repatriação dos brasileiros que estão nos Estados Unidos e países da União Europeia, que tiveram os voos cancelados por causa do Coronavírus. Com a pandemia, diversos governos determinaram a suspensão de viagens internacionais.

O deputado solicitou providências a fim de repatriar os brasileiros que estão em países, cujo os aeroportos estão fechados, em razão da pandemia mundial do COVID - 19. 

Ele explicou que existem diversos brasileiros, noticia-se um número de aproximadamente 1.800 brasileiros, que até o momento manifestaram dificuldades de retornar ao nosso país. O que está gerando preocupação por parte do parlamentar, por ser uma questão humanitária, sendo também um direito desses brasileiros retomarem ao seu país de origem. 

“Estamos pedindo que o Ministério das Relações Exteriores tome alguma providência para que esses brasileiros e brasilienses que estão impedidos de sair dos Estados Unidos e países da União Europeia possam ser repatriados. Dessa forma não podemos deixar milhares de brasileiros desassistidos em outro país, como está acontecendo”, afirmou Delmasso.

Com o aumento exponencial do número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no mundo inteiro levou diversos países, tais como Estados Unidos e países da União Europeia adotar a medida de fechar os aeroportos com o intuito de proteger sua pátria, bem como conter ainda mais a disseminação do vírus.

Delmasso também lembrou que recentemente o Ministério das Relações Exteriores organizou uma operação de sucesso de repatriação com aproximadamente 26 brasileiros que estavam na China e demonstraram o interesse de sair do epicentro do surto do coronavírus. 

Por considerar o risco de morte que esses brasileiros que estão nos Estados Unidos e países da União Europeia, lembrando o fato de estarem vivenciando esse momento de caos longe de suas famílias e longe do seu lar, o deputado solicitou providências a fim de que haja uma segunda operação por parte deste Ministério, a fim de repatriar esses brasileiros a sua terra natal.




O projeto de incentivo à leitura, Stop Leia, da Escola Classe 01 de Ceilândia, contou com o apoio do grupo na reinauguração da sala de leitura, além de outras iniciativas voltadas para a comunidade ceilandense

Preocupada com uma queda no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), a diretora da Escola Classe 01 de Ceilândia, Keila Cristina de Araújo, resolveu partir em busca de soluções para melhorar os resultados. Com a criação do Stop, Leia, ela acreditava poder estimular a leitura, melhorando, consequentemente, o rendimento escolar. Com o apoio do Home Center Castelo Forte, o projeto pode se tornar realidade e a sala de leitura  da escola reinaugurada nessa terça-feira (10/03).

Uma das características do projeto é que os alunos podem levar um livro para casa todos os dias, com o intuito de lerem junto com os seus familiares. Para isso, foram entregues durante o evento 500 sacolas personalizadas pela Castelo Forte, onde serão colocados os livros. "Os alunos passaram a ter interesse por literatura, melhoram a desenvoltura e ajuda em sala de aula, melhorando escrita e interpretação de texto, por exemplo”, explica a diretora da escola.

Dentro do projeto, também está previsto o momento Stop, Leia, onde todas as sextas-feiras alunos e servidores param tudo que estão fazendo para ler um livro, além de contar com leituras em grupos, dentro da sala de leitura. O projeto, que teve início no começo de 2019, atende 470 alunos. “Apoiamos essa iniciativa desde o inicio com muito carinho porque acreditamos nos benefícios que ele está trazendo para alunos, servidores e para as famílias como um todo”, afirma Bosco Almeida, coordenador de marketing da Castelo Forte.

O grupo Castelo Forte também contribui com outras atividades da escola, como formatura dos alunos, feira do livro, além de projetos de iniciativa de outros parceiros. Só em Ceilândia o grupo já atendeu projetos voltado para a arte, com a doação de instrumentos para orquestra musical; eventos religiosos, em parceria com as paróquias e com as igrejas evangélicas, entre outros. "Procuramos sempre contribuir com projetos socialmente relevantes nas comunidades onde a Castelo Forte está inserida”, completa Bosco.


Sobre o Home Center Castelo Forte - Com 29 anos de atuação no Distrito Federal, a Castelo Forte está presente em quatro Cidades do DF: Samambaia, Recanto das Emas, Vicente Pires e Ceilândia. Ao longo desses anos, a empresa vem conquistando espaço, saindo de uma pequena empresa familiar, crescendo e se tornando referência no DF  em materiais para construir, reformar e decorar, sem perder a essência de atendimento personalizado.

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado Rafael Prudente (MDB), garantiu nesta segunda-feira (16) que a Casa estará de prontidão 24 horas por dia, sete dias por semana


Prudente solicitou ao governador Ibaneis Rocha que seja incluído representante da CLDF no comitê de crise criado para acompanhar a escalada do vírus



Com a classificação pela Organização Mundial da Saúde (OMS) do COVID-19 como pandemia e o aumento expressivo de casos suspeitos e, em especial, de casos confirmados no Distrito Federal


Por Rayanne Rocha

Dessa forma o Governo do Distrito Federal editou os Decretos nº 40.512/2020, nº 40.520/2020 e nº 40.522/2020, que dispõem sobre medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do novo coronavírus, dentre outras providências. 


Entre as medidas estabelecidas está a suspensão, pelo prazo de 15 (quinze) dias, de: (i) eventos, de qualquer natureza, que exijam licença do Poder Público, com público superior a cem pessoas; (ii) atividades coletivas de cinema e teatro; (iii) atividades educacionais em todas as escolas, universidades e faculdades, das redes de ensino pública e privada; (iv) academias de esporte de todas as modalidades; e (v) museus. 

As medidas de restrições dispostas nos Decretos não afetam apenas aqueles setores diretamente ali citados. Outros setores da economia sofrem impacto direto, tais como prestadores de serviços, comércio em geral, escritórios, consultórios e condomínios. 

A Lei 13.979/2020, publicada pela Presidência da República e que também dispõe sobre as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus, estabelece que será considerado falta justificada ao serviço público ou à atividade laboral privada o período de ausência decorrente da adoção das medidas de isolamento, quarentena, realização compulsória de exames e tratamentos médicos, dentre outras medidas dispostas no art. 3º da referida lei. 

Diante desse contexto, empregados em quarentena, mesmo não infectados, farão jus ao abono das faltas, não podendo sofrer descontos em sua remuneração. Além disso, uma vez confirmada a suspeita e sendo o empregado levado a isolamento, este fará jus ao afastamento remunerado a ser custeado, nos primeiros 15 (quinze) dias, pelo empregador e, nos demais, pelo INSS. 

Um agravante a ser considerado é a possibilidade de o empregado ser infectado no próprio ambiente de trabalho. Nessa hipótese, poderá ser considerado acidente de trabalho a gerar possível estabilidade e responsabilização do empregador junto à Justiça. 

Uma medida possível e capaz de reduzir tanto os impactos e os riscos que envolvem a proliferação do COVID-19 quanto as restrições impostas pelos Governos Federal e do Distrito Federal seria a flexibilização das relações de trabalho, o que é permitido pela legislação trabalhista em casos como o que vivenciamos atualmente. A depender da atividade desenvolvida pelo empregador, é possível que o empregado seja colocado temporariamente em regime de teletrabalho, que tenha sua carga horária reduzida ou, inclusive, que sejam concedidas férias coletivas ou individuais. 

Diante desse cenário instável e da possibilidade de imposição de novas restrições, é importante que as empresas sejam cautelosas na adoção de medidas de segurança e se façam assistidas por uma equipe jurídica especializada, que as auxiliem no desenvolvimento e na implantação da melhor estratégia aplicável ao caso concreto. 

*Rayanne Rocha, advogada, especialista em direito do trabalho, Presidente da Comissão Nacional de Legislação Trabalhista da ABRASSP, sócia coordenadora da área trabalhista do escritório Ribeiro & Rocha Advocacia Empresarial Especializada, e-mail: rayanne@ribeiroerocha.com.br .

Para proteger os moradores de condomínios, a Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais solicita a interrupção das atividades nesses espaço para conter proliferação do Covid-19



Após a confirmação de mais de 200 casos de infecção do coronavírus no Brasil, a Associação Brasileira de Síndicos e Síndicos Profissionais – ABRASSP, decidiu solicitar aos síndicos de todo o Brasil, o fechamento de academias de condomínios, sala de estudo, sala de cinema e cancelamento de reservas em salão de festas pelo período de 30 dias.

O objetivo é evitar aglomerações nos condomínios, acompanhando as ações de diversos estados da federação e do Ministério da Saúde sobre o novo coronavírus. A recomendação vale por 30 dias que podem ser prorrogados ou cancelados a depender da situação da pandemia e das medidas anunciadas pelo Ministério da Saúde neste período. 

A Abrassp também recomenda que síndicos, também determinem a colocação de recipientes de álcool em gel, nos principais pontos de circulação de pessoas do condomínio. Também solicitamos a colocação de cartazes sobre a contaminação por Covid-19 nos condomínios.

Fica recomendado também que síndicos e trabalhadores de condomínios com mais de 60 anos de idade, deverão buscar trabalhar de casa e cancelar atendimento à condôminos.

O presidente da Abrassp, Paulo Melo, também recomendou que síndicos distribuam informativos sobre os sintomas e combate ao novo coronavírus. “Essas são as recomendações da Abrassp, o que não significa que novas recomendações não venham a ser tomadas nos próximos dias, de acordo com o acompanhamento dos casos de Covid-19 no Brasil”, comentou Paulo Melo.

Entenda
O coronavírus (Covid-19) é um vírus que causa doença respiratória com sintomas semelhantes a um resfriado (febre, tosse, dificuldade em respirar), podendo também causar pneumonia. As investigações sobre as formas de transmissão ainda estão em andamento, mas se sabe que a disseminação ocorre de pessoa para pessoa, por gotículas respiratórias ou contato direto. Ele tem transmissão menos intensa que o vírus da gripe, sendo menor o risco de circulação mundial.
 





















Nova data: Conexão SíndicoNet 2020. Pensando na segurança de todos os envolvidos, evento anual foi transferido para 26/09/2020, no mesmo local


O SíndicoNet decidiu transferir o evento Conexão SíndicoNet 2020 - cujos ingressos estão esgotados - para o dia 26/09/2020, no mesmo local: Villa Blue Tree, na cidade de São Paulo.

Confira abaixo a íntegra do comunicado enviado para os participantes.

Caro participante,

O CONEXÃO SíndicoNet 2020 vem sendo preparado com toda dedicação e empenho. Nosso maior compromisso é com a sua saúde, conforto e segurança, seja você participante, patrocinador, palestrante, parceiro, fornecedor ou organização.

Devido à situação de avanço do coronavírus (covid-19) no mundo e no Brasil, e com o cenário mudando diariamente, tomamos a decisão de adiar a realização do evento para o dia 26/9/2020, no mesmo local. 

De nossa parte, seguimos a premissa de fazer um grande evento, com a segurança e a tranquilidade de sempre, proporcionando a você uma excelente experiência.

Quanto à nova data, não se preocupe, o seu ingresso continua válido para o dia 26/09/2020 e nenhuma medida precisa ser tomada. 

Estamos prontos para te atender se, por algum motivo, a nova data não se encaixar para você. Nesse caso, envie um e-mail para conexao@sindiconet.com.br ou ligue para (11) 3044-4292.

Lamentamos pela situação. É nessas horas que devemos fortalecer ainda mais o espírito de comunidade e cooperação entre todos, e mais do que isso, entre o SíndicoNet e você. 

Um grande abraço,

Julio Paim (CEO) e Marjorie Albuquerque (Diretora de Marketing)



Conexão SíndicoNet 2020, será no dia 26/09/2020, no mesmo local: Villa Blue Tree, na cidade de São Paulo.


Propostas para implantar o VLT vão a audiência pública. Encontro será, no dia 27, no auditório da sede do DER. Mas os estudos estão abertos no site da Semob e o usuário pode mandar sugestões


Os estudos para implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) serão apresentadas no dia 27 de março em audiência pública, que acontecerá no auditório da sede do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF), às 10h. Podem participar usuários, potenciais licitantes e demais interessados. O aviso que traz detalhes da consulta e da audiência públicas está publicado na edição desta quinta-feira (12) do DODF.

Os documentos que serão apresentados na audiência – como os estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica, minutas do edital de licitação e do contrato, além de planilha detalhada da modelagem financeira – podem ser acessados no site da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob). 

As contribuições escritas relacionadas à implantação do VLT podem ser enviadas entre os dias 12 de março e 13 de abril por meio deste email; no protocolo da Semob, na Estação Ferroviária e por via postal. Também há a possibilidade de entregá-las durante a audiência pública.

Após a audiência, as propostas serão submetidas ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e, em seguida, divulgado o edital de licitação do empreendimento, que será por meio de Parceria Público-Privada.

A implantação do Veículo Leve sobre Trilhos na W3 prevê a ligação entre os terminais Asa Sul, Asa Norte e aeroporto com extensão de 22km. A nova tecnologia irá integrar ao metrô, BRT Sul e ao BRT Oeste.

Existe, ainda, a previsão de implantar um sistema de calçadas e ciclovias na Asa Sul e na Asa Norte que irá facilitar os deslocamentos de pedestres e ciclistas.

Os investimentos são estimados entre R$ 2 bilhões, incluindo obras, material rodante, sistema de energia e sinalização. VLT terá capacidade para transportar cerca de 200 mil passageiros por dia.

Cinco empresas foram selecionadas para desenvolver o estudo de viabilidade do VLT, por meio de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), que tem como objetivo permitir que particulares apresentem projetos e estudos para auxiliar o governo a modelar suas licitações.

Para realizar a avaliação e seleção dos estudos de viabilidade, a Semob criou uma comissão técnica, que selecionou o estudo do grupo de empresas BF Capital Assessoria em Operações Financeiras, Serveng Civilsan Empresas Associadas de Engenharia, T’Trans Sistemas de Transportes e Viação Piracicabana para servir de parâmetro para a licitação.

Técnicos da Semob realizaram ajustes e complementações ao estudo selecionado, que originaram as propostas que serão apresentadas na audiência pública do dia 27/3.






Edital de Chamamento de Manifestação de Interesse – VLT

A Secretaria de Transporte e Mobilidade do DF, por meio de Edital de Chamamento, solicita a manifestação de interesse para apresentação de projetos, levantamentos, investigações e estudos de viabilidade, a serem elaborados por pessoa jurídica, para implantação de Veículo Leve sobre Trilhos – VLT na via W3.

VLT – PMI



VLT – CONSULTA PÚBLICA



Trabalho marca a terceira etapa do cronograma para a região. As calçadas terão recuperação total: serão única e sem desníveis 



A licitação das obras de revitalização das quadras 513/514 Sul, com readequação do sistema viário com estacionamentos e acessibilidade, tem data prevista: 25 de março. Também serão feitos paisagismo, recuperação dos becos entre os blocos, troca dos pisos das calçadas e obras complementares de drenagem e sinalização. O investimento previsto é de R$ 3,2 milhões.

“A revitalização das quadras 513/514 Sul marca a terceira etapa do cronograma de obras estabelecido para a região”, destaca o secretário de Obras, Luciano Carvalho. “Todo o GDF está empenhado em dar continuidade ao processo para que possamos recolocar a W3 Sul no papel de importante centro comercial do DF”, acrescenta.

Um dos destaques do projeto é a recuperação total das calçadas, que passará a ser única com piso igual em toda sua extensão, sem desníveis e totalmente adequada para o trânsito de pessoas. “Os obstáculos para o trânsito de pedestres ficam posicionados às margens da via W3, deixando o restante do espaço livre”, explica Ricardo Terenzi, subsecretário de acompanhamento e fiscalização de obras.

“Nós estamos muito satisfeitos com a obra. Hoje vemos os carros estacionando de forma correta mantendo a via W2 ordenada e fluida. Temos agora calçadas de excelente qualidade e que, com certeza, são exemplos para outras obras do GDF”, avalia o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal, José Carlos, ao se referir às quadras 509/510, já concluídas.



Portal Cidades e Condomínios por Jornalista Paulo Melo 61 98225-4660 Sugestão de pauta: cidadesecondominios@gmail.com #Cidades #Condomínio #PauloMeloJornalista #CidadeseCondomínios

Desafios para o diagnóstico e o tratamento de doenças raras foram apontados


Por ocasião do Dia Mundial das Doenças Raras, celebrado em 29 de fevereiro, a Câmara Legislativa do Distrito Federal realizou, nesta segunda-feira (2), audiência pública para discutir as dificuldades enfrentadas pelos que têm alguma patologia rara, bem como os direitos dessas pessoas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), doenças raras são aquelas que atingem até 65 em cada 100 mil pessoas. Estima-se que existam entre seis e oito mil enfermidades diferentes e, no Brasil, cerca de 15 milhões de pessoas têm algum tipo. Desse número, aproximadamente 75% são crianças.

A audiência, proposta pelo deputado Cláudio Abrantes (PDT), reuniu no plenário da Casa representantes do GDF, ativistas da causa e mães de crianças com doenças raras, que destacaram uma série de desafios na busca por uma boa qualidade de vida para seus filhos. A luta, segundo elas, começa já na investigação da causa do distúrbio que, assim como no caso de qualquer problema de saúde, apresenta mais chances de tratamento efetivo quando é feito o diagnóstico precoce. Contudo, no caso das doenças raras, frequentemente o diagnóstico demora e, muitas vezes, é incorreto.

Lidianne Bezerra, mãe de Larissa de Souza, de oito anos, apresentou informações sobre a Síndrome de Rett, com a qual a filha foi diagnosticada. Em sua opinião, profissionais da saúde primária não estão preparados para identificar patologias raras. Começa, então, o que muitos definiram como uma "peregrinação": a busca pelo diagnóstico correto, geralmente, feito por geneticistas. Ela também destacou a importância das associações que prestam amparo às famílias: "As associações são importantes, pois é onde se reúnem, podem trocar experiências e ajudar uns aos outros. É essencial o apoio psicológico e psiquiátrico aos familiares de pessoas com doenças raras".

Porém, após a identificação do distúrbio, a luta continua, pois se inicia a busca por especialistas. Em Brasília, o acompanhamento por profissionais especializados acontece, principalmente, no Hospital Materno Infantil de Brasília, para crianças, e no Hospital de Apoio de Brasília, para adultos. Contudo, representantes de organizações destacaram a necessidade da construção de um centro de referência em tratamento, para desafogar os hospitais e diminuir as listas de espera por exames e consultas. Enquanto a construção do centro não ocorre, participantes da audiência pública requisitaram ao poder público sedes para associações, a fim de que possam continuar e expandir suas atuações.

Em sua fala, a servidora pública Anna Carolina Rocha, que tem epidermólise bolhosa, apontou que uma solução para alguns problemas enfrentados pela comunidade seria a equiparação dos direitos de pessoas com doenças raras com os de pessoas com deficiência. Ela afirmou que as garantias legais que possui, como pessoa com deficiência – a exemplo de vagas de estacionamento especiais, passe livre no transporte público e cotas em concursos – lhe garantiram liberdade e autonomia. A servidora relacionou, de forma direta, sua inserção no mercado de trabalho a esses benefícios. Em sua opinião, se as pessoas com doenças raras tiverem assegurados, em lei, os mesmos direitos que as com deficiência, haverá uma grande mudança na forma como são tratadas social e medicamente. Mudança que, para ela, precisa acontecer urgentemente, uma vez que as crianças com doenças raras, frequentemente, são impedidas de estudar e, quase sempre, são tratadas por profissionais da saúde como indivíduos com baixa expectativa de vida. "Ninguém sabe quando vai morrer, apenas acreditamos que vamos viver por muito tempo, mas não há uma certeza. Portanto, é negativo, durante o tratamento, condenar um paciente a uma vida curta, pois isso desmotiva seus familiares a lutarem por esse indivíduo", explanou.

O secretário-adjunto de Assistência à Saúde do DF, Ricardo Tavares, assegurou que a construção do centro de referência está próxima de acontecer. Segundo informou, a licitação já foi aprovada pela Central de Aprovação de Projetos e pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e, no momento, aguarda a aprovação da presidência da Novacap. Sobre diagnósticos, reconheceu haver dificuldade em encontrar médicos especializados e justificou que isso ocorre porque é pequeno o número de geneticistas não apenas no DF, mas em vários estados do País. Contudo, afirmou que três profissionais aprovados em concurso público já foram nomeados e devem começar a trabalhar em breve.

Por sua vez, o deputado Cláudio Abrantes frisou a importância de se lutar pela garantia de direitos plenos e de atendimento rápido e eficiente na rede pública de saúde do DF, de forma a assegurar qualidade de vida às pessoas com doenças raras e seus familiares.

Também participaram da audiência o deputado Iolando Almeida (PSC); a deputada federal Érika Kokay (PT/DF); a coordenadora da área de doenças raras do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Adriana Villas Boas; a superintendente do Hospital Universitário de Brasília, Elza Ferreira Noronha; o coordenador do Observatório de Doenças Raras da Universidade de Brasília, Natan Monsores; a médica e colaboradora do Centro de Referência do Hospital de Apoio de Brasília e do HMIB, Romina Soledad; entre outros.

As grandes revoluções proporcionadas pela tecnologia têm promovido mudanças significativas em diversas vertentes da sociedade. Na área pública, a pauta começa a ser discutida e aprimorada justamente por conta das demandas que, a cada dia, surgem neste meio


É observando este cenário que o Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração (Consad) tem fomentado pautas para o aprofundamento da temática junto aos estados brasileiros.

Um bom exemplo desse trabalho feito pelo Consad, em parceria com a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de TIC (ABEP), é a preposição da criação de um Grupo de Trabalho (GT) direcionado para a discussão sobre a Transformação Digital dentro do setor público. A ideia, aprofundada em maio durante um fórum em Brasília, está sendo direcionada para as secretarias de administração e planejamento que fazem parte do Conselho e tem como intuito fomentar ainda mais práticas que promovam efetivamente a eficiência das organizações públicas.

“Cabe pontuar que estamos criando um ambiente favorável para que haja um compartilhamento de soluções para o desenvolvimento da transformação digital nos governos estaduais. Além disso, com o GT formado, poderemos traçar um plano de ação mais efetivo para a implantação de medidas que irão, entre outras coisas, facilitar o aprimoramento da oferta de serviços públicos à sociedade”, explica o atual presidente do Consad e secretário de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio de Alagoas, Fabrício Marques Santos.

Além desse fomento, o Conselho visa ainda fortalecer uma articulação mais técnica junto aos especialistas do âmbito federal, organismos internacionais, membros da academia brasileira e, também, com outras instituições que possuem trabalhos focados nesta temática.

“Essa é, sem dúvidas, uma agenda prioritária. Precisamos deixar um legado importante para que a administração pública brasileira esteja, cada vez mais, engajada neste aspecto. A proposta, inclusive, é que este tema esteja presente com mais frequência nos encontros e reuniões do Conselho”, completa Fabrício.

O Consad

Com sede em Brasilia, o Consad é formado pelos secretários de Administração/Gestão de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal, mantendo encontros periódicos e espaços permanentes de troca de experiências inovadoras e busca de soluções criativas para o aperfeiçoamento da gestão Pública no Brasil.

Criado em 2000, a entidade busca atuar como órgão permanente de coordenação e articulação dos interesses das secretarias e dos órgãos correlatos, bem como participar da formulação e implementação das políticas nacionais de administração pública, entre outros.

A campanha, promovida pela Âncora Condomínios, inclui distribuição de peças, como cartazes, nas áreas comuns dos condomínios com alertas sobre as medidas preventivas que devem ser adotadas para evitar a contaminação dos moradores

Dois casos do coronavírus já foram confirmados no Brasil, e desde então, cuidados vem sendo tomados para evitar que a virose saia do controle e se torne uma epidemia generalizada no país. E a preocupação com locais de grandes acessos coletivos precisam ser redobrados. Os condomínios se tornaram motivo de alerta, por isso, a Ancora Condomínios criou uma campanha com orientações sobre as medidas paliativas que os moradores e síndicos precisam tomar para garantir que a comunidade fique longe dos riscos de contaminação.
  
Para contribuir com a prevenção contra o vírus em condomínios, a equipe da Âncora criou um material informativo com orientações dadas pelos órgãos competentes de saúde, e que podem ser adotadas pelos moradores e síndicos. Espalhar tubos de álcool em gel nas áreas de comum de acesso, manter superfícies e objetos que são tocados com frequências desinfetados (maçanetas, botões de elevadores, corrimões), higienizar os brinquedos coletivos da área do playground, evitar elevadores lotados, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo, evitar circular pelos corredores e áreas de comum acesso caso esteja doente são algumas das dicas.

Os materiais elaborados pela Âncora, com as informações necessárias, serão  enviados gratuitamente para os síndicos e também estão disponíveis no site da administradora www.ancoracondominios.com.br. Nicson Vangel, que é especialista em assuntos condominiais, e proprietário da Âncora Administradora de Condomínios, comenta as medidas preventivas apontadas pelos órgãos de saúde. “São medidas simples, mas de grande eficácia, e que podem ajudar na redução de casos. Seguindo as orientações, síndicos e condôminos podem evitar que o surto chegue a sua comunidade”, alerta. 

Além dos cartazes com informações a serem espalhados pelas áreas comuns dos condomínios, outra orientação dada pelo especialista é que, em caso de suspeita de contaminação de algum morador ou funcionário, recomenda-se que uma reunião seja convocada para explicar, de forma coletiva, sobre as medidas de prevenção e cuidados a serem tomados, como forma de evitar pânico. A campanha se baseou nas orientações do Ministério da Saúde.  “O próprio Ministro da Saúde já afirmou que não há motivo para pânico, mas medidas preventivas precisam ser tomadas para evitar a disseminação no aumento de casos”, reforça Nicson Vangel.

Sobre a Âncora Condomínios - Com mais de 12 anos de atuação no mercado, a Âncora Condomínios presta serviços como administradora de condomínios, gestão sustentável, consultoria em administração e mediação e conciliação extrajudicial. Como diferencial, oferece aos clientes o programa Inadimplência Zero, modernas práticas administrativas e alta tecnologia que possibilitam comunicação rápida através de aplicativos.

SERVIÇO
Campanha de prevenção e orientação sobre riscos de contaminação do Coronavírus para síndicos e moradores de condomínios
Os materiais elaborados pela Âncora Condomínios, com as informações necessárias, serão  enviados gratuitamente para os síndicos e também estão disponíveis no site da administradora www.ancoracondominios.com.br.
Mais informações:
Âncora Condomínios
Endereço: Sede: Rua Copaíba, 01 – Ed. DF Plaza, salas 913 a 920, Torre A -Águas Claras – DF/
Tecnologia do Blogger.