Proteção, fiscalização e conscientização na luta contra o coronavírus

Fotos: Luana Machado.


A Administração Regional do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) entregou mais de 2 mil máscaras de proteção à população nos meses de abril e maio. As equipes entregaram as máscaras aos comerciantes da Ceasa, moradores da Estrutural e no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte (SAAN). O DF Legal, Secretaria de Economia do DF, SEDES-DF, Secretaria de Justiça e Cidadania e a SEGOV-DF organizaram a ação.

O material é de uso obrigatório e o não cumprimento das normas pode acarretar em multa de 2 mil reais. Esta é uma ação do GDF, por meio da administração do SIA, que teve início no dia 15 de maio. Faz parte de várias ações realizadas desde abril com objetivo de auxiliar na proteção, fiscalização e conscientização sobre a atual pandemia do coronavírus.

O uso de máscaras de proteção se tornou uma medida importante no combate ao novo coronavírus, pois diminui as chances de contágio. No entanto, é preciso lembrar que elas não substituem o isolamento social, a higienização das mãos e outras orientações de prevenção.

A administradora do SIA, Luana Machado, afirmou que a ação ajuda a conscientizar as pessoas sobre a importância do uso da máscara. “Entregamos mais de 2.000 máscaras para a população. A operação realiza a fiscalização do comércio e aborda as pessoas nas ruas, particularmente em aglomerações, para a prevenção ao coronavírus no DF”, disse.


A ação contou com a participação da Administração da Estrutural, Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal), Departamento de Trânsito do Distrito Federal (DETRAN/DF), Polícia Militar do Distrito Federal (PM/DF) e Corpo de Bombeiros Militares (CBM/DF).



O Ministério da Saúde enviou a terceira equipe da Força Nacional do SUS (FN-SUS) composta por médicos, enfermeiros e fisioterapeutas para atuarem no combate ao COVID-19 no Estado do Amazonas. Mas o que poderia ser uma solução humanitária está se transformando num pesadelo para esses profissionais


Foto: Viviane Rezende.


Os profissionais de saúde, todos voluntários, chegaram a Manaus no último dia 5 oriundos de diversos estados brasileiros: Rio de Janeiro, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco e o Distrito Federal.

Um vídeo disponibilizado na internet, prints de conversas do grupo e um desabafo de um profissional denunciam a humilhação que eles estão passando por estarem, voluntariamente, colaborando com a recuperação do país nessa pandemia.

“Nós enfermeiros, médicos, biomédicos, fisioterapeutas…estamos sendo bastante humilhados em Manaus. O poder das cooperativas de saúde que queriam abocanhar o dinheiro do governo federal para fazer a contratação direta de profissionais e encherem seus bolsos nos expulsaram dos hospitais alegando que não precisam de nosso trabalho. obs: uma dessas cooperativas têm o sec de saúde como sócio, segundo jornalistas locais.

Muitos estão a 30 dias tentando um lugar para trabalhar indo e voltando sem sucesso. Somos chamados pejorativamente aqui de: “os profissionais do Bolsonaro”.

Comunicamos o Ministério da Saúde e a Saúde local do estado e não tivemos retorno nem acolhimento por parte dos mesmos sobre este descaso conosco, nos enviaram o whatsapp do secretário de saúde que está por trás dessas cooperativas, ou seja, não de nada resolvido.

Ontem, nos tiraram de mais um hospital, o 28 de agosto. O que nos parece é que depois da fala de Bolsonaro contra o prefeito de Manaus a coisa piorou para nós”, (texto original e grifo nosso).

Segundo um dos vídeos, os profissionais estão confinados em um hotel de Manaus sem poder exercer o trabalho o qual se propuseram porque cooperativas ligadas ao governo estão impedindo que isso aconteça.

Levantam cedo, se preparam para o trabalho, chegam até a sair do hotel em direção ao Hospital Delphina Aziz (a unidade é referência no atendimento e tratamento de pacientes com COVID-19), mas ao chegarem lá são impedidos de trabalhar e, praticamente, expulsos do local.

Tentamos contato com a assessoria de imprensa da Agência Saúde, mas até o fechamento dessa matéria não conseguimos. O site está à disposição para os esclarecimentos necessário.

Prints das conversas:





Fonte: Blog do Poliglota.

No culto on-line desta terça-feira, 26, na Embaixada Sara Nossa Terra, em Brasília, o bispo Lucas Cunha ministrou com base no livro de Lamentações 3:55- 58

Foto: João Batista.

Diante da passagem, o preletor destacou sobre não ter medo. Desde modo, pregou que muitos indivíduos ainda relutam com Deus por meio de argumentos, reclamações ou exigências. “Por que Deus permite isto ou aquilo? Ele permite obstáculos para que você fique em uma situação mais maleável e acessível. Por que existem pessoas que acham que sabem de tudo e não aceitam serem tratadas? O Espírito Santo tem facilidade em conduzir pessoas quebrantadas que reconhecem que sem a presença Dele não são nada, ou seja, temos que reconhecer que o Pai está acima de tudo e que temos que combater pensamentos ilusórios que não são da vontade Dele”, assegurou.

Diante disto, o preletor alertou que é necessário que as pessoas renunciem o orgulho. “Muitas vezes, os indivíduos estão em crise. Jejuam, oram e não recebem respostas. Pensam que Deus as abandonou. Todavia, esta ausência de resposta não significa que o Pai não ouve o clamor delas. Posso citar o exemplo de Sansão, que dependia da força dele, e que não respeitava os princípios quando agia de forma ignorante. No entanto, quando ele contou o segredo para Dalila, os soldados filisteus capturaram ao homem que era intocável. Ou seja, o pecado dele o levou à fraqueza. Te faço uma pergunta: Deus permitiu isto? Sim, para que o coração dele voltasse para estar em sintonia”.

O preletor observou ainda que assim como Sansão, o homem precisa entender que sua força está no altar e que se faz necessário deixar para trás tudo o que te prende ao passado de pecado. Pois o compromisso de Deus com cada indivíduo é no futuro. “O Pai tem algo maravilhoso para você. Que a tua vida não seja escrava dos sentimentos ou que esteja no fundo do poço. De acordo com o que está escrito nos versículos citados, as pessoas se tornam manuseáveis nas mãos de Deus, onde as histórias delas serão mudadas. Deus julga os seus inimigos. Você será um grande homem de Deus e profissional”, finalizou.


Texto: estagiário Bruno Faria sob supervisão de Jeane Magalhães



A gestão de pessoas é, atualmente, considerada um componente fundamental na administração de todos os tipos de empresa. Empreendimentos de todos os setores e ramos, sejam de pequeno ou grande porte, desfrutam dos benefícios de investir na área de recursos humanos


Foto: Caio Filho.

Isso também vale para os negócios rurais: por isso, neste artigo vamos falar sobre gestão de pessoas no agronegócio.



É fato que a profissionalização no gerenciamento das “empresas do campo” vem trazendo mais produtividade e eficiência ao setor. Esse processo passa, por exemplo, pela utilização de recursos tecnológicos tanto na produção quanto na gestão da empresa e também pela capacitação da mão de obra.


A evolução dos produtores rurais com competência para empreender também está relacionada ao desenvolvimento de pessoas – hoje considerado chave para todos os mercados. Por isso, o investimento em capital humano já é uma prática comum em quase todas as empresas.

Sendo assim, a gestão de pessoas no agronegócio merece uma atenção especial. Isso porque o setor ainda está evoluindo nesse sentido e porque possui características que resultam em desafios específicos a serem superados.
O que é gestão de pessoas

A gestão de pessoas também é conhecida como administração de recursos humanos. O objetivo dessa área, em linhas gerais, é trabalhar com eficiência utilizando os recursos humanos disponíveis e conseguir criar, manter e desenvolver pessoas com habilidade e motivação para realizar os objetivos da empresa.

Além disso, também faz parte do seu escopo administrar o comportamento dos colaboradores e desenvolver condições de bem-estar, satisfação e alcance de objetivos individuais. Cada empreendimento pode definir quais são os objetivos específicos da área e determinar quais estratégias e metodologias específicas irá utilizar para alcançá-los.

Por essa razão, resumidamente, a gestão de pessoas é considerada um conjunto de práticas para o desenvolvimento do capital humano nas empresas. Essas técnicas estão relacionadas à motivação, retenção e capacitação dos colaboradores sempre com o intuito de melhorar o seu desempenho – e, consequentemente, melhorar a performance do negócio.
Quais são as principais atribuições e pilares da área

A gestão de pessoas procura engajar e estimular o comprometimento e o progresso da equipe. Além disso, ela também é fundamental para a formação de lideranças para uma empresa – considerada uma das grandes dificuldades do mundo corporativo.

As atribuições da área envolvem uma série de ações voltadas a aumentar o bem-estar do colaborador e melhorar o ambiente de trabalho. Para ser eficaz, a metodologia deve levar em consideração cinco pilares: motivação; comunicação; trabalho em equipe; conhecimento e competência; treinamento e desenvolvimento.

Também são atividades desempenhadas pela gestão de pessoas a contratação de novos funcionários, a avaliação de desempenho, a capacitação, a realocação e as promoções dos colaboradores. A gestão de crises envolvendo equipes também faz parte do leque de atribuições da área.
Desafios da gestão de pessoas no agronegócio

Apesar do crescimento observado nos últimos anos, o setor agropecuário brasileiro sofreu – e ainda sofre – as consequências do êxodo da população rural para os grandes centros urbanos. Da mesma forma, fatores como a falta de gerenciamento em negócios familiares e o despreparo em relação à chegada da tecnologia também não contam a favor dos empreendimentos rurais.

Nesse contexto, além de ver os seus funcionários deixando o campo para trabalhar na cidade por diversos motivos, muitos produtores também não sabem como administrar e valorizar as pessoas com quem trabalham. Isso trouxe uma rotatividade profissional muito grande para esses empreendimentos. Ao mesmo tempo, resultou na escassez de mão de obra qualificada no agro.

Esse panorama é importante para entender os desafios e a importância da gestão de pessoas no agronegócio para mudar essa situação. Dessa forma, o setor poderá continuar crescendo para alcançar patamares cada vez mais altos. Lembrando que, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação (FAO), para garantir o equilíbrio da segurança alimentar mundial a produção de alimentos precisa aumentar em 60% até 2050.
Por que a gestão de pessoas no agronegócio é importante

É verdade que a tecnologia trouxe muitos recursos de automação para o processo produtivo nas fazendas. No entanto, as pessoas continuam sendo parte crucial do “funcionamento” desses empreendimentos.

Por um lado, as máquinas agrícolas realizam um trabalho eficiente, mas a participação humana segue sendo imprescindível para operá-las e realizar várias outras atividades envolvidas da produção. Por outro, profissionais com conhecimento e competência também são necessários para saber manejar cultivos com eficiência e responsabilidade no uso de recursos naturais.

É por isso que os funcionários precisam ser considerados ativos das empresas também no agro. Um negócio só pode alcançar o seu máximo potencial com mão de obra de qualidade. Isso significa ter pessoas competentes, preparadas e geridas com excelência – evidentemente, por uma boa gestão de pessoas no agronegócio.
Impactos positivos para as empresas rurais

O investimento na gestão de pessoas no agronegócio traz uma série de benefícios para os empreendimentos e, consequentemente, para o setor em geral.

A instauração de técnicas específicas permite, por exemplo, que o gestor reconheça e gerencie as competências dos trabalhadores. Entender se o seu funcionário consegue identificar problemas e propor soluções com eficácia possibilita que ele seja colocado em uma função estratégica para a empresa rural.



Além disso, a administração de recursos humanos também conta com valiosos métodos de avaliação de desempenho e análise de resultados. Essas informações, cruzadas com dados de performance e produtividade do negócio, ajudam a esclarecer pontos que necessitam melhorias e a tomar decisões assertivas na gestão.

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem o primeiro projeto de lei de autoria do deputado federal Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF)


Foto: Anderson Miranda.

O PL 1251/20 garante a liberação de recursos do Fundo Setorial de Audiovisual (FSA) e do Fundo Nacional de Cultura (FNC) para pagamento dos cachês atrasados, das datas suspensas ou adiadas e a implementação imediata de programa de assistência financeira com renda mínima para os trabalhadores na área da cultura e aos trabalhadores informais. O texto foi apensado ao PL 1075/20 que também trata de ações emergenciais para socorrer o setor durante a pandemia do novo coronavírus.

Julio Cesar defende que a junção de esforços foi essencial neste momento e justifica que o setor é um dos mais prejudicados com a chegada da crise. “Estou muito feliz com a aprovação deste projeto. Não podemos fechar os olhos para um dos setores mais afetados pela crise, até porque o nosso país é reconhecido mundialmente pela sua diversidade cultural. Além do mais, essa proposta reconhece e valoriza os trabalhadores envolvidos com o fomento da cultura brasileira”, declara.

A proposta construída em conjunto com os deputados federais republicanos, Aline Gurgel (AP) e Celso Russomanno (SP), foi acatada na íntegra pela deputada e relatora Jandira Feghali (PcdoB/RJ).

Linha de crédito

Além do aporte financeiro, o texto prevê ainda a abertura de linha de crédito para aquisição de equipamentos culturais ou renegociação de crédito, com maior tempo de carência, através de recursos liberados pelo Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a suspensão de cobranças de impostos para espaços culturais, cobranças e taxas sobre MEIs e ME da área cultural e acesso aos benefícios do INSS. Os beneficiários deverão ser identificados por meio do cadastro de sindicatos, dados oficiais e a comprovação do trabalho informal na cultura. A matéria segue para o Senado.



Segunda etapa do programa Acolher visa proteger policiais penais que estão na linha de frente no combate à Covid 19 e atuam na Papuda


Foto: João de Castro.


Os profissionais de execução penal que atuam na Papuda serão acolhidos para descansar após o dia de trabalho. Com essa medida, eles não precisam voltar para casa e, assim, reduzem as chances de transmitir o Covid-19 para seus familiares. Os servidores poderão se hospedar no Like U Hotel e no Kubitschek Plaza por meio do Programa Acolher, coordenado pela Secretaria de Turismo. Essa é a segunda fase do Programa, que iniciou com os profissionais da Secretaria de Saúde e agora se estende de forma inédita até os profissionais que atuam no Sistema Penitenciário do Distrito Federal. O anuncio foi publicado nesta quarta-feira (27/05), no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

O Programa Acolher tem como missão cuidar da saúde ocupacional dos servidores da carreira de execução penal do DF, visando os afastamentos decorrentes da contaminação pelo Covid-19 e proporcionando maior segurança para que os profissionais não se tornem foco de transmissão junto a seus familiares, impactando diretamente na qualidade do serviço prestado no Sistema Penitenciário do Distrito Federal.

Os servidores irão se hospedar em apartamentos individuais (single), com café da manhã, almoço e jantar. Além disso, terão mais tempo para descansar pois conseguirão acessar facilmente os locais onde trabalham, dada a localização privilegiada dos hotéis.

As vagas são destinadas aos profissionais lotados nos estabelecimentos penitenciários Penitenciários e residam com pessoas do grupo de risco e estejam envolvidos no atendimento presencial dos internos suspeitos ou diagnosticados com o coronavírus. 

Os hotéis atenderam a todos os critérios e exigências estabelecidos no projeto básico elaborado pelo GDF, de acordo com a análise feita pela Setur-DF, além de ser a proposta mais vantajosa para o poder público. O contrato terá vigência de 30 dias a partir da sua assinatura, podendo ser prorrogado diante das necessidades para o enfrentamento da situação de emergência de saúde pública pelo coronavírus. 

“Esta é uma forma de agradecimento e reconhecimento da importância desses profissionais num momento difícil para todos. O GDF está oferecendo mais uma forma de proteção para eles e para os familiares, uma vez que muitos deles, que arriscam a vida diariamente por todos nós, moram com pessoas idosas ou com comorbidades. Além disso é uma forma de movimentar o setor hoteleiro, tão atingido pela crise econômica que é o efeito colateral da Covid-19”, diz o vice-governador Paco Britto.

“A Setur está totalmente empenhada nas ações que possam garantir o bem-estar, a proteção e o conforto para os agentes penais e a segurança para as suas famílias. A medida também é providencial para a rede hoteleira, uma vez que o setor do turismo é um dos mais impactados pela crise atual", avalia a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça. 

Exigências para a acomodação
Para garantir a segurança dos trabalhadores, o hotel deverá seguir um protocolo de prevenção e limpeza dos ambientes. Os ambientes de uso coletivo, como salas de televisão/cinema, jogos, piscina ou sauna devem permanecer fechados. O estabelecimento também deverá limpar e desinfetar todas as superfícies de contato frequentemente, especialmente maçanetas, corrimões, balcões, botões de elevadores, etc.

Balanço de casos no sistema penitenciário
De acordo com o último balanço divulgado pela SSP-DF, até a última segunda-feira (25), 81 agentes estão com teste positivo para o coronavírus, sendo que 141 já se recuperaram. O monitoramento diário dos casos e vem analisado, levando em consideração os cenários de possíveis baixas em decorrência desta situação com o objetivo de evitar que os profissionais da segurança pública se tornem focos de transmissão. 

O secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, reforçou a importância de uma gestão integrada no combate à pandemia. “Esta gestão entende que as medidas de prevenção à Covid-19 passam por ações interdisciplinares entre órgãos do GDF. Quando recebemos a categoria dos policiais penais e traçamos esse planejamento sobre o serviço de hotelaria, tivemos a Setur desde o primeiro momento ao nosso lado. Estamos sempre avaliando cenários para oferecer aos servidores da Segurança Pública a melhor estrutura preventiva que podemos”, destacou.

Profissionais de saúde

Os profissionais de saúde vinculados à Secretaria de Estado de Saúde inscritos no Programa Acolher já começaram a chegar aos hotéis da holding Phenicia na sexta-feira (22). Até 250 profissionais podem ser beneficiados com a iniciativa. O Programa foi lançado na quinta-feira (21), por meio de uma cerimônia com número limitado de participantes devido à pandemia, para a assinatura do contrato com a rede hoteleira.
Tecnologia do Blogger.